Como podemos reduzir os gastos mensais domésticos?

Uma casa sempre leva a uma serie de gastos mensais, os quais temos que arcar obrigatoriamente para continuar

Uma casa sempre leva a uma serie de gastos mensais, os quais temos que arcar obrigatoriamente para continuar desfrutando de uma vida cômoda e inovadora dentro do possível. E nesse desejo de “viver dignamente” é que urge o dilema do dinheiro que se destina para isso, já que  em muitas ocasiões é impossível não fechar o mês com um monte de dívidas e no vermelho.

E por incrível que pareça isso passa até nas melhores famílias. Por isso, reduzir os gastos mensais tornou-se uma necessidade principal dentro de uma sociedade globalizada e consumista. Digo isso porque ninguém quer ter que destinar todo o seu salário em suprir as necessidades básicas e privar-se de algum capricho.

Embora, infelizmente, este último seja o que mais acontece devido à falta de uma cultura adequada sobre o consumo de recursos e planejamento em cada área da vida cotidiana. O que aconteceria se você parasse de abrir a torneira ao máximo para escovar os dentes ou deixasse de usar constantemente do secador de cabelo? Temos certeza de que os gastos  mensais seriam reduzidas consideravelmente.

Esse conteúdo é mais do que um conteúdo a ser enquadrado como um “guia” para auxiliá-lo no processo de reduzir gastos mensais. Este conteúdo visa fornecer a orientação necessária em suas finanças pessoais. Sabemos que você tem sonhos e metas a cumprir, que podem se materializar com uma gestão mais certeira de suas finanças pessoais.

Alguém que aprenda a importância de ser mais cauteloso nas questões financeiras, não terá que trabalhar muito duro com o simples objetivo de pagar contas ou fazer compras para sustentar sua família. Se tornará um indivíduo empoderado que tem a liberdade de viver como se merece.

Economizar energia será seu melhor aliado.

“Apague a luz do seu quarto porque está de dia”. “Não deixe o computador ligado quando não estiver usando”. Essas frases tão repetidas por nossos pais, e tão odiadas por nós na adolescência, remetem à necessidade de maior economia de energia. Ainda mais naqueles dias, quando não era você quem tinha que suar para pagar a eletricidade.

Agora, na idade adulta, você entende por que deveria atender ao pedido de seus pais. Um dos gastos mensais mais comuns em uma casa é a eletricidade, onde podemos deixar até 10% da renda. É um serviço básico tão caro mas essencial para subsistir, pois quase todas as nossas atividades em casa tornam este recurso necessário

Mas como posso economizar no valor da conta? Bem, muito simples! Mude hábitos, como não deixar as luzes acesas por longas horas ou usar constantemente aparelhos elétricos como a máquina de lavar ou a lava-louças por preguiça, porque você “não quer lavar à mão” ou tem relutância em fazê-lo.

Além disso, tente consultar as especificações técnicas de qualquer dispositivo que você comprar. Uma classificação de energia A garante melhor desempenho com consumo muito menor em comparação com outros eletrodomésticos tradicionais, dando a você o alívio de não ter que se preocupar constantemente com quanto terá que pagar no final do mês

Compre em atacadistas de acordo com as preferências da família.

Esse é um assunto que sempre gera polêmica em casa. Principalmente porque vamos ao supermercado com uma vontade terrível de esvaziar as prateleiras como se fosse amanhã. Concentramo-nos em levar tudo o que vemos no nosso caminho, enganando-nos com aquela desculpa de “querer experimentar coisas novas” ou “para que não falta nada na casa”

É válido até certo ponto, porque grandes compras sempre incluem descontos atraentes e isso se traduz em uma economia considerável para o seu bolso. Porém, quando você começa a comprar produtos por inércia ou fora do contexto usual da alimentação familiar, é o momento em que começa a ser um problema.

Você vai acabar gastando mais do que o orçado em alimentação, causando um aumento desproporcional no custo da cesta básica da sua casa. Os gastos mensais vão disparar em geral por não ter um controle mais preciso sobre esses comportamentos compulsivos na hora de fazer compras, bem como por “se deixar levar pelo impulso”.

O mais inteligente a se fazer é escrever uma lista do que realmente precisam e consomem em casa. Concentre-se em estocar todos os alimentos que sua família mais gosta, comprando-os em quantidades maiores do que o restante dos itens presentes no carrinho. Desta forma, dará um consumo adequado a todas as coisas que estão dentro da cozinha e não perderá absolutamente nada.

Seja prudente com assinaturas de serviços de telecomunicações.

“300 canais HD para o seu entretenimento”, “O melhor serviço de Internet de alta velocidade”. Esses slogans invadem nossas listas de e-mail até nos saturar, que acaba sendo seduzida inconscientemente pela ideia de ter um serviço de telecomunicações exponencialmente poderoso, se comparado a outras opções semelhantes.

O detalhe é que você não para para pesar quais são os benefícios a serem obtidos e se isso é realmente necessário dependendo do seu estilo de vida. Se você é um daqueles que fica na rua o dia todo e chega em casa cansado de tanto trabalhar, seria um desperdício de dinheiro comprar um pacote de televisão por satélite com 2 ou 3 centenas de canais, porque você não conseguirá ver todos, nem ficará colado à televisão para justificar essa saída de dinheiro.

Reduzir os gastos mensais é possível com um hábito de consumo mais sensato, onde a possibilidade de contratação de serviços não está contemplada por serem os “ostentosos” ou “a última novidade do mercado. Pensar assim será sua ruína financeira, pois você desperdiçará seu dinheiro em ter algo que não utiliza e isso se tornará uma espécie de fuga constante.