Correlação de mercado no trading

Um dos fatores que determinam o sucesso de um trader é sua habilidade de entender os mercados financeiros

Um dos fatores que determinam o sucesso de um trader é sua habilidade de entender os mercados financeiros e como eles funcionam entre si. Neste artigo, vamos discutir a correlação dos mercados de trading e nos aprofundaremos em como operar com base neste indicador.

O que é correlação de mercado?

Uma correlação de mercado é uma medida, estatística ou observacional, que identifica uma relação positiva ou negativa entre os preços dos ativos. Essas relações são usadas para determinar a direção e a força relativa da evolução dos preços. Moedas, commodities, dívida e ações incluem muitos mercados relacionados, que mostram diferentes correlações entre certos valores. Em termos coloquiais, dizemos que os ativos são correlacionados quando o mesmo evento econômico afeta o preço de bens diferentes.

Operar com correlações é um assunto repleto de nuances, que apresenta uma grande variedade de metodologias, tornando-se um segmento exclusivo para operadores altamente experientes, uma vez que, com tantas variáveis, ​​é possível que o trader facilmente se engane. Por ter um firme entendimento do que é uma correlação de mercado, o trader terá uma boa ideia do que deve ter em mente ao aplicar estratégias de derivativos.

 

Tipos de correlação no mercado de ações

Existem três tipos de correlação no mercado de ações: positiva, negativa e nula.

Se os preços de dois mercados se movem simultaneamente na mesma direção, para cima ou para baixo, eles têm uma correlação positiva, que pode ser forte ou fraca.

Se antes de um evento econômico o preço de um ativo tende a cair quando outro sobe, então a correlação é negativa. O nível de correlação é geralmente medido por um coeficiente de correlação que varia de -1 a +1. Este coeficiente é estabelecido pela análise do desempenho histórico do mercado.

Por exemplo, se dois mercados têm uma correlação de 50%, isso significa que, historicamente, quando o valor de um dos dois mercados subiu ou caiu, houve um aumento ou queda correspondente no valor do mercado correlacionado, na mesma direção, quase 50% do tempo.

Caso contrário, uma correlação de -0,8 significa que a análise dos dados históricos do mercado mostra que os mercados se movem em direções opostas pelo menos 80% do tempo. Uma correlação zero significa que não há correlação entre os mercados. Em outras palavras, o movimento de preços em um mercado não tem um efeito significativo sobre o movimento de preços no outro mercado.

Também é importante compreender que só porque as correlações existem, em média, durante um período de tempo, não significa necessariamente que existam o tempo todo. Pares de moedas ou ações que podem estar altamente correlacionadas em um ano podem divergir e mostrar uma correlação negativa no ano seguinte.

 

Componentes de uma correlação de mercado

Como mencionamos anteriormente, os mercados correlacionados se movem juntos, tanto positiva quanto negativamente. Por exemplo, se o mercado “A” sobe, e o mercado “B” também, a correlação é positiva. No caso de o mercado “A” subir e o “B” afundar, a correlação é considerada negativa.

Claro, nem todas as flutuações de preço representam uma relação vigente. Uma verdadeira correlação de mercado está sujeita à duas considerações principais:

Quantificável: uma correlação real não deve ser o produto de evidências anedóticas ou generalizações prematuras. É necessária uma análise observacional ou estatística detalhada para confirmação.

Presença de operadores de arbitragem: as práticas de arbitragem envolvem assumir posições simultâneas em vários mercados em busca de lucros sem risco. Os arbitradores “impõem” correlações, porque esse tipo de negociação garante que os preços se movam em relação uns aos outros, e não aleatoriamente.

Quando se trata de correlações, é importante lembrar que elas não são concretas. Os índices de preços dos ativos tendem a mudar rapidamente e dependem do cronograma e dos níveis de participação, bem como inúmeros outros fundamentos do mercado. No entanto, são úteis para identificar o estado do mercado e aperfeiçoar os parâmetros de gestão das operações.

 

Correlação entre mercados

Historicamente, correlações foram encontradas entre pares de moedas e as commodities mais negociadas. Considere o dólar canadense, que está correlacionado com o preço do petróleo, já que o Canadá é um grande exportador de petróleo; ou a correlação negativa entre o iene japonês e o preço do petróleo, já que o Japão importa todo o seu petróleo. O mesmo é verdade para o dólar australiano e os preços do ouro, que estão altamente correlacionados.

A seguir, estão alguns exemplos bem conhecidos de correlações de mercado:

 

Ações de companhias aéreas e o preço do petróleo

Quando o preço do petróleo sobe, o mesmo acontece com o preço do combustível de aviação. Como o combustível de aviação é uma despesa importante para as companhias aéreas, o aumento dos custos de combustível, por sua vez, significa taxas mais altas para os consumidores.

 

Mercados de ações e ouro

Na maioria das vezes, esses dois mercados têm uma correlação negativa: quando as ações sobem, o ouro desce e vice-versa. Uma razão para essa correlação negativa é que o ouro é um porto seguro, então, quando os investidores estão na defensiva, eles procuram ouro em vez de ações relativamente arriscadas.

 

Estratégias de investimento baseadas na correlação na negociação

Apesar do impacto considerável das correlações positivas e negativas no mercado, é crucial negociar no momento certo. Há momentos em que o relacionamento se deteriora, e esses casos podem ser caros para um investidor se ele não entender rapidamente o que está acontecendo.

O conceito de correlação é, portanto, uma parte essencial da análise técnica para investidores que desejam diversificar seu portfólio. Em períodos de grande incerteza nos mercados, esta estratégia permite normalmente que a carteira seja equilibrada através da substituição de algumas posições em ativos com correlação positiva por outros investimentos com correlação negativa.

Neste caso, os movimentos dos preços de mercado são neutralizados, o que reduz o risco do investidor, mas, também, a rentabilidade. Assim que o mercado se estabilizar, o investidor pode fechar suas posições com correlação negativa.

Um exemplo de ativos correlacionados negativamente usados ​​neste tipo de estratégia de investimento é uma ação e uma opção de venda sobre essa ação. O valor da opção de venda aumenta à medida que o preço das ações diminui.

 

Aplicações

Uma das maneiras mais comuns de os traders usarem as correlações de mercado é por meio da metodologia “siga o líder”. Com esta estratégia, os operadores identificam mercados ligados positivamente, e antecipam movimentos de preços com base na ação exibida pelo mercado ou ativo líder. Posições no produto secundário são então abertas e fechadas com base no comportamento do líder.

Seguir o líder é uma forma popular de negociar correlações, mas tem várias desvantagens importantes

Inconsistência: as correlações costumam ter vida curta, desaparecendo ou revertendo sem aviso prévio. Este fenômeno é especialmente comum em intervalos de tempo intradiários, e representa um risco adicional.

Raridade: As correlações puras nas quais as decisões de negociação são baseadas são extremamente raras e difíceis de encontrar.

Sofisticação: uma abordagem de regra única, como seguir o líder, tem escopo limitado, assim como a maioria das estratégias técnicas de negociação executadas isoladamente.

Um método superior de integração de correlações em um plano de trading é procurar um mercado que tenha uma inclinação. Por exemplo, se houver uma correlação de mercado positiva entre o DJIA, o S&P 500 e o NASDAQ, os preços geralmente se moverão juntos. Isso significa que é improvável que a ação do preço prevalecente reverta inesperadamente. Assim, a correlação positiva entre os três índices de ações serve como uma “rede de segurança” para administrar uma posição aberta.

 

Gestão de riscos e estratégias baseadas em correlação

Uma boa gestão de riscos é essencial ao tomar decisões para reduzir as chances de perder dinheiro. Ao aplicar a teoria de portfólio moderna, você pode reduzir o risco geral de seu portfólio de ativos, e até mesmo aumentar seu retorno geral, investindo em mercados correlacionados positivamente.

Essa estratégia permite detectar e compensar pequenas divergências, pois os mercados permanecem altamente correlacionados em geral. À medida que a divergência de preços de mercado continua, e a correlação começa a enfraquecer, a relação deve ser examinada cuidadosamente para ver se a correlação está se deteriorando. Nesse caso, a posição deve ser separada, ou uma abordagem alternativa deve ser adotada para responder à mudança no mercado.